Você está aqui: Entrada / ÁREAS PROTEGIDAS / Descrição Geral

Descrição Geral

Descrição geral das Áreas Protegidas de Portugal continental. Rede Nacional de Áreas Protegidas. Cartografia.
 
““Conservar a natureza”, expressão associada à ideia de “defesa da biodiversidade”, independentemente da latitude que se lhe queira conferir, tornou-se um imperativo dos nossos dias, materializado num certo número de instrumentos e práticas dentre os quais se incluem as Áreas Protegidas. Estas últimas, em termos de salvaguarda de espaços e de espécies, representam uma das respostas possíveis face à evidente intensificação do uso do território e aos “desagregamentos” que daí advêm. Mas classificar determinados espaços em nome do “único”, do “raro” ou do “ameaçado” não deixa de ser um trabalho delicado, dado apontar para a sempre difícil conciliação entre o momentâneo dos interesses materiais e a perenidade das instâncias biológicas. Além disso, o arquipélago das Áreas Protegidas está longe de esgotar o mar da biodiversidade. Esta última manifesta-se ao longo de todo o continente português, revestida das mais diversas formas, algumas das quais irrelevantes ao olhar.
 
No entanto, dos cumes da Peneda-Gerês às ilhas barreira que separam a Ria Formosa do Atlântico, o território continental português alberga inúmeras áreas que, devido ao carácter que nelas assume o que temos por natural [é evidente que num território de antiga humanização, como é o caso do nosso, são evidentes os cuidados a ter com o uso deste adjectivo] e às manifestações culturais que lhe estão associadas, [não se perca de vista que, desde há muito, o trabalho da terra se denomina cultura] se distinguem do todo de que fazem parte, [nunca será por demais repetir que as Áreas Protegidas – Parque Nacional, Parque Natural, Reserva Natural, Monumento Natural e Paisagem Protegida – não são ilhas isoladas do resto do território; quando se apela à distinção, estamos apenas a referir-nos à presença de determinadas características paisagísticas e ecológicas, que conferem especificidade a esses espaços] sendo objecto de um estatuto especial de proteção.
 
São as Áreas Protegidas de Portugal [Parque Nacional da Peneda-Gerês. Parques Naturais: Alvão; Arrábida; Douro Internacional; Litoral Norte; Montesinho; Ria Formosa; Serra da Estrela; Serra de São Mamede; Serras de Aire e Candeeiros; Sintra-Cascais; Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina; Tejo Internacional; e Vale do Guadiana. Reservas Naturais: Berlengas; Dunas de São Jacinto; Estuário do Sado; Estuário do Tejo; Lagoas de Santo André e da Sancha; Paul de Arzila; Paul do Boquilobo; Sapal de Castro Marim e Vila Real de Santo António; e Serra da Malcata. Paisagens Protegidas: Arriba Fóssil da Costa da Caparica; Serra do Açor. E ainda os Monumentos naturais: Pegadas de Dinossáurios de Ourém-Torres Novas; Carenque; Pedra da Mua; Lagosteiros; e Pedreira do Avelino. Paisagens Protegidas: Corno de Bico; Lagoas de Bertiandos e São Pedro de Arcos; Albufeira do Azibo; e Serra de Montejunto…] um repositório de interessantes geologias, floras e faunas, de alguns dos cenários tidos por mais atraentes e de modos de estar e fazer que fizeram história e se vão esfumando com o tempo. Trata-se de um património, ecológico e cultural, suporte de evidente biodiversidade em termos europeus, que concorre para definir as paisagens e a identidade de Portugal.”
 
Nota: clique em cima do nome de cada AP para aceder a informação mais específica sobre a mesma.
[Pedro Castro Henriques,
in “a, b, c, das áreas protegidas de Portugal continental”, ICNB, 2007]
 
 
 
Para além das Áreas Protegidas mencionadas neste texto de 2007, em 2014 integram ainda a Rede Nacional as seguintes Áreas Protegidas:
 
classificado em: ,