Você está aqui: Entrada / ÁREAS PROTEGIDAS / Reservas Naturais / Reserva Natural do Estuário do Tejo / Geologia | Hidrologia | Clima

Geologia | Hidrologia | Clima

Geologia | Hidrologia | Clima
Geologia, hidrologia e clima da Reserva Natural do Estuário do Tejo.

Por do sol na lezíria CGV
Por do sol na lezíria (® Cristina Girão Vieira).

Geologia e geomorfologia

Nos finais do Terciário e início do Quaternário o estuário do Tejo terá tido características diferentes. Muito provavelmente seria  um estuário de águas pouco profundas e pantanosas que constituíam um sistema deltaico entrecortado por inúmeros canais. Atualmente, a sua morfologia é bem diferente, apresentando uma forma irregular e recortes caprichosos, evidenciando uma evolução complexa.

Estruturalmente o estuário do Tejo apresenta uma geometria e parâmetros morfológicos bastante variáveis, podendo ser dividido em quatro zonas distintas.

A zona mais a montante tem uma morfologia deltaica, resultante da sedimentação de aluviões modernos, e estende-se desde Vila Franca de Xira até à linha de Alcochete/Sacavém. Esta região do estuário é caracterizada por um sistema de mouchões, esteiros e grandes espraiados de maré.

Segue-se-lhe uma área conhecida por Mar-da-Palha, que se estende até ao Cais do Sodré. Mais profunda do que a anterior, esta é a maior zona do estuário, constituindo uma espécie de mar interior onde vêm desaguar alguns rios e ribeiras. É nas margens deste “Mar” que se localizam os grandes empreendimentos industriais que circundam o estuário e é também nele que se fazem a maioria das travessias por barco entre as duas margens.

A 3ª zona do estuário tem a forma de um canal com uma profundidade que, em alguns pontos, chega a atingir perto de 40 m. Delimitado a norte pelos calcáreos do Cretácico e a sul pelas rochas detríticas (areias, argilitos, arenitos) do Miocénico, nas suas margens localizam-se as cidades de Lisboa e de Almada.

Finalmente, o estuário começa gradualmente a dar lugar às águas marinhas. É a zona terminal que forma como que uma boca, imediatamente a seguir ao canal do estuário do Tejo e que pode ser delimitada até à linha Bugio/S.Julião.

A Reserva Natural, inserindo-se na zona deltaica a montante do Mar-da-Palha, apresenta assim uma certa monotonia geológica onde dominam os depósitos de aluviões modernos da Lezíria Sul e margem esquerda até Alcochete, surgindo isolados no seu limite nascente os materiais líticos de um cordão dunar e das formações plistocénicas da bacia do Tejo.

Hidrologia e regimes hídricos

No estuário do Tejo a maré é um fator muito importante, dado que o volume médio de maré (600 x 106 m3) é significativo face ao volume de água abaixo do nível inferior da maré (1.900 x 106 m3). Este estuário corresponde a um estuário do tipo positivo, sendo também caracterizado como um estuário parcialmente estratificado.

O caudal médio anual do rio é de cerca de 400 m3 /s, estando sujeito a uma larga variação mensal, de 1 a 2.200 m3/s, tendo sido em situação de cheias registados valores de 14.000 m3/s.

O regime de marés é do tipo semidiurno, sendo os tempos de enchente mais longos do que os de vazante. A amplitude da maré, medida na margem norte, é crescente desde a foz até Alverca, onde chega a atingir o máximo de aproximadamente 4,8 m, decrescendo depois até se anular na região de Muge, a cerca de 80 Km da embocadura. A amplitude média de maré é de 2,6 m, apresentando como valor mínimo 1 m.

A intrusão salina faz-se sentir até Vila Franca de Xira, a 50 km da barra. Em regime de cheia, a salinidade da água na zona Alcochete/Poço-do-Bispo é da ordem de 10 ‰, enquanto que, em regime de estiagem, com os caudais dos rios reduzidos, os seus valores podem elevar-se para 25 ‰.

A amplitude de maré observada e as características geomorfológicas da sua foz, tanto a montante como a jusante, permitem incluir o estuário do Tejo na classe dos estuários mesotidais.  

Clima

O clima da região onde se situa a Reserva Natural do Estuário do Tejo é do tipo mediterrânico, sendo dezembro e janeiro os meses mais frios e chuvosos e julho e agosto os mais quentes e secos. A temperatura média diária do ar situa-se entre 16 a 17,5 ºC, a precipitação média anual entre os 600 a 700 mm e a insolação média anual entre as 2.900 e as 3.000 h. Os ventos predominantes são do quadrante norte.

Conteúdo relacionado
Contactos Áreas Protegidas
Acções do Documento
classificado em: