Você está aqui: Entrada / FLORESTAS / Gestão Florestal / Produção Florestal / Montado / Conversão de Meças em Pau Batido

Conversão de Meças em Pau Batido

Sobreiro. A partir de 2030, nenhum sobreiro poderá ser explorado em meças.

Foto-Mecas-Pau-Batido

A partir de 2030, nenhum sobreiro poderá ser explorado em meças. Isto significa que se, em 2030, um sobreiro ainda se encontrar explorado em meças, o(a) subericultor(a) terá de aguardar que a totalidade da cortiça de reprodução que a árvore está a formar atinja, pelo menos, 9 anos de criação (ou, excecionalmente, 8, mediante autorização especial do ICNF), para poder descortiçar.

Se o(a) subericultor(a) deixar para depois de 2030 o acerto das meças, tal poder-lhe-á trazer prejuízos graves. Isto porque:

  • pode então ter de aguardar bastantes anos até lhe ser permitido voltar a descortiçar (e, assim, voltar a obter rendimento da cortiça); e
  • se for necessária uma espera prolongada, no fim, parte da cortiça encontrar-se-á, muito provavelmente, com uma idade de criação avançada (13 ou mais anos), o que é geralmente motivo de desvalorização.

 

Mais informações sobre este assunto são fornecidas na brochura da ex-DGRF:

Acções do Documento