Biologia e Sintomas

Cancro-resinoso-do-pinheiro. Biologia e sintomas. Sementes, agulhas, pinhas, ramos, rebentos, troncos e raízes. Exsudações de resina, amarelecimento agulhas, encurvamento dos ápices. Infeção. Disseminação pelo solo, ar, água ou insetos. Dispersão dos esporos. Plantas de viveiro. Árvores adultas. Sementes.
 

Sintomas

O fungo pode afetar o hospedeiro em todos os seus estados de desenvolvimento e em qualquer altura do ano. As partes afetadas podem ser sementes, agulhas, pinhas, ramos, rebentos, troncos e raízes.

Embora os sintomas, quer em plantas jovens quer em árvores adultas, não sejam específicos deste agente biótico nocivo, podendo ser causados por ataques de outros fungos ou insetos, facto que obriga à realização de análises laboratoriais para confirmação da presença do fungo podem contudo ser elencados alguns sintomas que, potencialmente, poderão ser associados à sua presença.

  • Sintomas [PDF 671 KB] - inclui imagens

 

Biologia


Infeção

Em plantas de viveiro a infeção pode ocorrer a partir de sementes infetadas, de inóculo presente no substrato ou através do contacto com plantas infetadas.

Em árvores adultas a infeção pode ocorrer através da penetração dos esporos em feridas (provocadas por ferramentas de poda ou por qualquer outro fator), por picadas de alguns insetos ou através das lenticelas de rebentos e dos estomas das folhas.

 

Disseminação

A dispersão dos esporos ocorre, principalmente, durante os meses de primavera, verão e no início do outono, podendo o fungo sobreviver durante o inverno fora do hospedeiro em resíduos vegetais (ramos caídos, troncos destacados, etc.).
O inóculo pode ser disseminado no solo, pelo ar, pela água e por insetos (Ips, Pityophthorus, Conophthorus e Tomicus).

As principais formas de disseminação da doença a grandes distâncias são a circulação de plantas ou sementes, podendo a circulação de madeira ser também um veículo de transmissão.

Destes fatores, o que apresenta maior risco no alastramento da doença é o comércio de sementes infetadas, uma vez que nestas, o fungo não é detetado por inspeção visual.

O fungo pode sobreviver um ano em estilha ou ramos destacados.
 

Conteúdo relacionado
O que é?
Cancro-resinoso-do-pinheiro
Acções do Documento