Medidas Preventivas

Vespa-das-galhas-do-castanheiro. 'Dryocosmus kuriphilus'. Medidas preventivas. Prospeção. Inspeção. Fornecedores de material vegetal de reprodução. Povoamentos e árvores dispersas.

Prevenção

As ações de prevenção (prospeção e inspeção) devem centrar-se a 2 níveis:

  • Povoamentos (soutos e castinçais) e árvores dispersas - prospeção; e
  • Fornecedores de material vegetal de reprodução (agrícolas e florestais) - inspeção.

As ações de prospeção/inspeção, que têm por base a análise do risco associado à possível presença da praga, são compostas por diversas fases.

Tendo em conta o ciclo biológico do inseto, as ações de prospeção/inspeção devem realizar-se entre abril e julho, altura em que se podem observar visualmente os sintomas (galhas). Durante a restante época do ano, a praga desenvolve-se nos gomos foliares sem manifestar sintomas detetáveis por observação visual, pelo que qualquer inspeção visual se torna ineficaz.

As ações de prospeção/inspeção devem ser conduzidas pelas DRAP e ICNF, I.P., nas respetivas área de atuação, com a colaboração das organizações de produtores agrícolas e florestais e das câmaras municipais.

Ações de Prospeção em povoamentos (soutos e castinçais) e árvores dispersas


Castinçais

A prospeção dirigida aos povoamentos incidirá, de forma sistemática, nos pontos da rede Nacional de malha 2 x 2 Km (já utilizada no Inventário Florestal Nacional – IFN) que abranja povoamentos do género Castanea spp. localizados em áreas de particular sensibilidade e risco associado, bem como em castinçais recentemente instalados (menos de 5 anos), sem prejuízo de outros locais, que se considere relevante observar para verificação da presença ou ausência do inseto, como sejam as áreas produtoras de semente.

Quando detetada sintomatologia associada à presença de Dryocosmus kuriphilus procede-se em conformidade com as medidas de controlo previamente estabelecidas.

Soutos e árvores dispersas

As prospeções incidirão prioritariamente em:

  1. zonas envolventes das zonas demarcadas (10 km);
  2. zonas envolventes dos viveiros / fornecedores (10 km);
  3. soutos recentemente instalados (menos de 5 anos); e
  4. zonas com elevada produção.

 

Inspeção

Ações de Inspeção em Materiais Vegetais de Reprodução

A inspeção, realizada pelas e pelos inspetores fitossanitários, tanto do ICNF, I.P. como das DRAP (consoante a área de atuação), deverá incidir em todas e todos os operadores económicos que produzam ou comercializem materiais vegetais de reprodução (plantas e partes de plantas), exceto frutos e sementes, do género Castanea, devendo ser dada especial atenção às e aos fornecedores que recebam material vegetal de outros Estados-Membro onde o Dryocosmus kuriphilus esteja presente.

Em cada um dos locais objeto de inspeção, será efetuada uma adequada observação visual de todos os lotes das espécies hospedeiras. O número mínimo de plantas a inspecionar será definido em função da dimensão do lote.

No caso da deteção da presença da praga, num(a) fornecedor(a) de material vegetal de reprodução, este(a) deve ser imediatamente notificado, por escrito, pela DRAP ou ICNF, I.P., conforme o âmbito de atuação, das medidas de controlo a tomar.

De igual forma, a existência de lotes de plantas sem passaporte fitossanitário com marca ZP deverá implicar a notificação do(a) respetivo(a) operador(a) para retenção do material no local até serem efetuadas as devidas investigações quanto ao risco associado e informação da decisão das medidas a tomar.

Sempre que seja detetada a presença de sintomas, deve contactar
 

os serviços do ICNF.

Direção-Geral de Agricultura e Veterinária 

Direções Regionais de Agricultura e Pescas:

Acções do Documento