Você está aqui: Entrada / FLORESTAS / Fitossanidade Florestal / Grupos Operacionais / Grupo Operacional do Nemátodo-da-madeira-do-pinheiro

Grupo Operacional do Nemátodo-da-madeira-do-pinheiro

Grupo Operacional do Nemátodo-da-madeira-do-pinheiro
Projeto “Gestão Integrada do Pinhal/Nemátode da Madeira do Pinheiro (GI PIN)”. Porquê este projeto? Objetivos. Beneficiários. Parceiros. Resultados esperados. Financiamento PDR2020 (Programa de Desenvolvimento Rural 2014-2020). Parceria n.º 20 / Iniciativa n.º 28 Ação 1.1 Grupos Operacionais promovida pelo PDR2020 e cofinanciada pelo FEADER, no âmbito do Portugal 2020. Coordenação



Porquê este projeto?
O que se pretende?
Quem beneficiará?
Quem participa?
Quais os resultados esperados?
Como é financiado?
Entidade coordenadora
Saiba mais sobre o nemátodo-da-madeira-do-pinheiro

___________________________________

O ICNF, I.P. é parceiro do Grupo Operacional “Gestão Integrada do Pinhal/Nemátode da Madeira do Pinheiro (GI PIN)”, financiado pelo Fundo Europeu Agrícola de Desenvolvimento Rural (FEADER), no âmbito do PDR2020 (Programa de Desenvolvimento Rural 2014-2020). Liderado pela Federação Nacional de Associações de Produtores Florestais, tem uma duração de 48 meses (01/01/2012 a 31/12/2021).

Porquê este projeto?

A doença da murchidão do pinheiro (DMP) é resultado de uma interação complexa entre 3 organismos muito distintos: o nemátode da madeira do pinheiro (NMP), um inseto vetor e uma árvore hospedeira. Em todo o mundo, o NMP é o único elemento comum à interação, já que os vetores (Monochamus spp.) e as árvores hospedeiras (Pinus spp.) variam de local para local.

Em Portugal, a introdução do NMP em 1999 acrescentou no ecossistema do pinhal bravo mais um fator de declínio, que até então se devia sobretudo a incêndios florestais e a surtos de insetos subcorticais. A DMP tem impactes negativos na fileira do pinho que se consideram muito relevantes.

Desde 2008 que a totalidade do território continental foi considerada Zona Demarcada, que integra uma Zona Tampão (ZT), de 20 km de largura delimitada ao longo da fronteira com Espanha, e o restante espaço territorial continental, composto pelos locais de intervenção (LI) e pela restante zona, sem presença do NMP.

O inseto vetor é o organismo responsável pela grande disseminação da doença, pelo que é no controlo das populações deste organismo que tem que se atuar.

Para controlar a DMP procede-se à eliminação das árvores com sintomas de declínio antes do início do período de voo do vetor e à extensão da implementação de restrições à circulação de madeira suscetível originária dos LI para o resto da zona infestada.

As medidas de controlo, integradas no plano de ação nacional para o controlo da dispersão do NMP, estão essencialmente direcionadas para a atuação na ZT. Na restante zona tem-se verificado o aparecimento da doença em novas áreas, o que coloca em causa a eficácia das medidas adotadas.

Por isso, em 2014 foi criada uma Task Force pela União Europeia, liderada pelo Serviço Alimentar e Veterinário SAV da Comissão Europeia, e composta por especialistas de 10 Estados-Membros que recomendou medidas para aumentar a eficiência no controlo do NMP, das quais se destaca a implementação de uma zona de contenção ativa (ZCA), na frente de expansão natural da doença, novos métodos de gestão florestal, a utilização de meios de diagnóstico precoce e a procura de novos meios de luta. Este Grupo Operacional pretende estudar e desenvolver as propostas recomendadas pela Task Force, para posterior implementação.

Estas ações revestem-se de capital importância, uma vez que o investimento que está a ser realizado para impedir a disseminação da doença para outros Estados Membros da UE é muito elevado. Pretende-se potenciar as ações de controlo e assim evitar que as restrições de circulação e comercialização de madeira de coníferas com origem em Portugal esteja livre de restrições, o que a acontecer traria consequências devastadoras para a importante fileira do pinheiro bravo (a nível económico, social e ambiental).

Topo

O que se pretende?

Com esta iniciativa pretende-se desenvolver estratégias operacionais que ultrapassem os constrangimentos associados à DMP, de acordo com os normativos e orientações nacionais e comunitárias, tornando a gestão do pinhal-bravo mais eficiente.

A conjugação de novas atividades de gestão florestal, meios de diagnóstico precoce e novos meios de luta, contribuirão para:

  • reduzir o impacte económico nas zonas onde a doença se encontra presente;
  • reduzir o custo das ações de controlo da doença;
  • controlar a sua expansão para novas áreas;
  • devolver a confiança aos proprietários florestais para a manutenção,
  • plantação e gestão de novas áreas de pinheiro bravo.
     

Topo

 

Quem beneficiará?

Num sentido mais estrito, serão os proprietários florestais os beneficiários diretos, assim como as entidades públicas de administração indireta do Estado e de investigação e os agentes económicos que intervêm na valorização da fileira do pinheiro-bravo.

O conhecimento mais aprofundado da DMP que se pretende atingir com este GO vai permitir avanços nos métodos de deteção e um controlo mais eficaz desta doença, através de intervenções antecipadas e mais localizadas e uma economia de recursos, beneficiando transversalmente a fileira do pinheiro-bravo.

Num sentido mais lato, o país será o grande beneficiário dos resultados esperados. Através dos ensaios que irão ser testados, fruto da reflexão de investigadores e técnicos nacionais e de propostas realizadas pela Task Force da SAV, e a posterior implementação dos resultados, pretende-se alcançar um novo patamar no controlo da Doença da Murchidão do Pinheiro, manifestando assim à Comissão Europeia o empenho constante do País no controlo deste grave problema fitossanitário.

Topo 

Quem participa? 

PARCEIROS
DESIGNAÇÃO ABREVIADAS
 Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas, I.P.  ICNF, I.P.
 Federação Nacional das Associações de Proprietários Florestais  FNAPF
 Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária, I.P.  INIAV, I.P.
 Universidade de Coimbra  UC
 FIREMAP  FIREMAP
 FLOPONOR  FLOPONOR
 FLORGÉNESE - Produtos e Serviços para a Agricultura e Floresta, Lda
 FLORGÉNESE
 Associação para a Valorização da Floresta de Pinho
 Centro Pinus

Topo

 

Quais os resultados esperados?  

  • Criação de uma Zona de Contenção Ativa no limite das freguesias com presença do nematode-da-madeira-do-pinheiro e estabelecimento de um plano estratégico específico de contenção da doença;
  • Definição, planeamento e promoção de práticas de gestão florestal adequadas para melhorar o estado sanitário do pinhal;
  • Proposta de novas formas de gestão do material contaminado numa perspetiva de segurança ambiental, proteção integrada da floresta e redução de custos;
  • Determinação de métodos de avaliação precoce de árvores potencialmente infetadas;
  • Avaliação da capacidade de atração, da distância e duração da atratividade de áreas de pinhal percorridas por incêndio;
  • Aumento da segurança fitossanitária das atividades de exploração florestal em pinhal nas freguesias classificadas como Locais de Intervenção;
  • Desenvolvimento de um método rápido, eficaz e de baixo custo para a classificação de danos;
  • Validação da eficácia de amostragem de árvores ao nível do DAP em diferentes regiões climáticas;
  • Avaliação da possibilidade de pinheiros em declínio, devido a outros agentes bióticos e abióticos, poderem ser selecionados pelas fêmeas do vetor para realização da postura e verificação da ocorrência de transmissão secundária;
  • Cálculo do risco de infeção por NMP em pinhais de diferentes idades/ dimensões;
  • Avaliação do período de emergência e voo do vetor em diferentes condições climáticas.

 

Topo

 

 

Como é financiado?

Este projeto é financiado no âmbito do  PDR2020 (Programa de Desenvolvimento Rural 2014-2020), Área 1 – Inovação e Conhecimento, Medida 1 – Inovação e Conhecimento, Medida 1 - Inovação, Ação 1.1 – Grupos Operacionais.

O Programa de Desenvolvimento Rural (PDR) é um instrumento político e um mecanismo de financiamento utilizado pelos Estados-Membros para implementar as políticas de desenvolvimento rural da UE, num território específico. O PDR2020 tem como objetivo apoiar o investimento em explorações agrícolas e florestais, em empresas agroindustriais e na instalação de jovens agricultores, potenciado as condições para aumentar a competitividade.

O Fundo Europeu Agrícola de Desenvolvimento Rural (FEADER) é o principal instrumento de financiamento para a implementação do 2º pilar da Política Agrícola Comum, sendo o instrumento financeiro da União Europeia, destinado aos Estados-Membros, para alcançar diversos objetivos europeus de política de desenvolvimento rural, tais como melhorar a competitividade das empresas agrícolas, florestais e agroalimentares, ajudar a proteger a natureza e o ambiente, apoiar as economias rurais e melhorar a qualidade de vida nas zonas rurais. O FEADER financia também estratégias de desenvolvimento local e ações de assistência técnica (projetos do tipo "Leader") e contribui para a realização da Estratégia Europa 2020 através da promoção do desenvolvimento rural sustentável em toda a União, em complementaridade com os outros instrumentos da política agrícola comum, da política de coesão e da política comum das pescas.

Saiba mais sobre o FEADER no sítio do IFAP.

 

Topo

Entidade coordenadora 

Federação Nacional das Associações de Proprietários Florestais
Telma Briote
Rua Dr. António Costa Júnior
3420-053 Covas, Tábua | Portugal
Telefone: +351 238 602 444
Telemóvel: +351 915 670 702
Fax: +351 238 604 393
E-mail:
telma.briote@fnapf.pt

Topo

Saiba mais sobre o nemátodo-da-madeira-do-pinheiro

Topo

 U.A.: 2019-01-18

 

PDR-PT2020-FEADER.png

Acções do Documento