Você está aqui: Entrada / FLORESTAS / Fitossanidade Florestal / Planos e Relatórios / Planos de Controlo / Vespa-das-galhas-do-castanheiro

Vespa-das-galhas-do-castanheiro

Plano de Ação Nacional para o controlo do inseto 'Dryocosmus kuriphilus' Yasumatsu, nome vulgar vespa-das-galhas-do-castanheiro. Hospedeiros plantas do Género 'Castanea'. Uma das pragas mais prejudiciais para os castanheiros em todo o mundo. Origem e dispersão mundial. Procedimentos para a sua prospeção, monitorização e contenção. Entidades, em Portugal, envolvidas na execução das medidas de prevenção e controlo. Objetivos e linhas de atuação previstas no Programa Operacional de Sanidade Florestal (POSF).

O Plano de Ação Nacional para o Controlo do inseto Dryocosmus kuriphilus Yasumatsu estabelece os procedimentos para a sua prospeção, monitorização e contenção e identifica as entidades que, no território português, estão envolvidas na execução das medidas de prevenção e controlo dirigidas a esta praga que tem apenas como hospedeiros plantas do género Castanea. Este plano integra igualmente os objetivos e linhas de atuação previstas no Programa Operacional de Sanidade Florestal (POSF).

Conhecido como vespa-das-galhas-do-castanheiro, este inseto que ataca os vegetais do género Castanea, sendo considerado, atualmente, uma ameaça para os nossos soutos e castinçais. Este inseto é considerado uma das pragas mais prejudiciais para os castanheiros em todo o mundo, uma vez que, ao atacar os gomos foliares e formar galhas, vai reduzir o crescimento dos ramos e a frutificação, podendo diminuir drasticamente a produção e a qualidade da castanha e conduzir mesmo ao declínio dos castanheiros.

A espécie Dryocosmus kuriphilus é originária da China, tendo iniciado a sua dispersão mundial, primeiro na Ásia (Japão, Coreia e Nepal) e, posteriormente, na América do Norte (Estados Unidos da América) e na Europa, com a primeira deteção referenciada em Itália em 2002 e, posteriormente, em França, Eslovénia, República Checa, Hungria, Croácia, Espanha (Catalunha, Andaluzia e Castela-Leão) e, mais recentemente, em Portugal (junho - 2014) e na Alemanha.

Após a deteção dos primeiros focos da praga no nosso país, em junho de 2014, nos concelhos de Barcelos, Ponte de Lima, Vila Verde e Baião, e no sentido de cumprir com as obrigações impostas pelo estatuto de ZP - Zona Protegida, é indispensável proceder de imediato à intensificação de prospeções para delimitação das zonas infestadas e respetivas zonas demarcadas e à aplicação das medidas mais apropriadas para erradicar a praga ou, não sendo possível, evitar a sua dispersão para áreas onde o inseto não está presente.

Sendo o castanheiro uma espécie importante no panorama agroflorestal do país, nomeadamente como produtor de frutos, e estando em risco essa vertente face aos estragos que a praga provoca, é fundamental pôr em execução este plano de ação, no sentido de reduzir ao mínimo, as consequências negativas da presença deste agente biótico nocivo no nosso país.

Para apoiar a implementação do presente plano de ação é constituído um Grupo de Acompanhamento.

U.A.: 2018-02-20

Acções do Documento