Você está aqui: Entrada / O ICNF / Notícias / Eventos / Dia da Reserva Natural das Lagoas de Sto. André e da Sancha | 22 agosto

Dia da Reserva Natural das Lagoas de Sto. André e da Sancha | 22 agosto

Dia da Reserva Natural das Lagoas de Sto. André e da Sancha | 22 agosto
22 de agosto - Dia da Reserva Natural das Lagoas de Sto. André e da Sancha - informação sobre esta área protegida

Pormenores do evento

Quando

2018-08-22
de 00:00 até 00:00

Adicionar evento ao calendário

 
 
As Lagoas de Santo André e da Sancha foram classificadas como Reserva Natural através do Decreto-Regulamentar nº 10/2000, de 22 de agosto.
 
É constituída, essencialmente, por um conjunto de ecossistemas litorais e sublitorais, incluíndo, como elementos fundamentais, os sistemas lagunares de Santo André e da Sancha. Marginando ambas as lagoas ocorre um conjunto diversificado de ecossistemas aquáticos e ribeirinhos influenciados, em maior ou menor grau, pelas águas doces e salobras, incluíndo pequenas áreas de sapal, salgueirais, caniçais, juncais, urzais palustres e pastagens húmidas. 
 
A classificação como Área Protegida teve como principal objetivo a conservação do elevado valor ecológico destas duas zonas húmidas e das suas áreas envolventes, nomeadamente enquanto áreas importantes para a reprodução, invernada e migração de aves. Visa também a proteção do complexo dunar envolvente e da faixa marítima adjacente que alberga uma fauna marinha característica.
 
A flora e vegetação da Reserva constituem alguns dos seus elementos mais importantes em termos de valores naturais, estando inventariadas 510 espécies de plantas vasculares distribuídas por 79 famílias. 
 
A vegetação é essencialmente formada por espécies tolerantes ao prolongado período de inundação, dessecação estival e salinidade. Esta relaciona-se com a abertura da Lagoa de Santo André ao mar, sendo determinada, sobretudo, pelo cloreto de sódio e por outros sais característicos das águas oceânicas. 
 
São particularmente importantes as formações e espécies que se instalam no cordão dunar, normalmente dominada pelo estorno Ammophila arenaria e a espécie prioritária Linaria ficalhoana. Os matos e charnecas que povoam as dunas estabilizadas incluem os zimbrais de sabina-das-praias Juniperus turbinata e os matos de camarinha Corema album. As dunas interiores são ocupadas por formações arbustivas densas incluindo os zimbrais de piorno Juniperus navicularis, os urzais de tojo Ulex australis e os matos de marcetão Santolina impressa.
 
As espécies de flora mais valorizadas dizem respeito a endemismos lusitânicos ou quase, cuja abundância na Reserva se reveste de alto valor para a conservação da espécie a nível global, precisamente por constituírem populações vastas e bem preservadas, nomeadamente Ononis hackelii, o tomilho-vulgar Thymus carnosus, o tomilho-carnudo Thymus capitellatus, Armeria rouyana e herniária Herniaria maritima.

 

Acções do Documento