Você está aqui: Entrada / PATRIMÓNIO NATURAL / BIODIVERSIDADE / Gestão da Biodiversidade / Roazes do Sado / Centro de documentação

Centro de documentação

Centro de documentação
Bibliografia | Trabalhos disponíveis

 

 

Bibliografia  |  Trabalhos disponíveis

 

Bibliografia

 

A  |  B  |  C  |  D  |  E  |  F  |  G  |  H  |  I  |  K  |  L  |  M  |  N  |  O  |  P  |  R  |  S  |  T  |  V  |  W


A

Antunes, M.; Lopes da Cunha, P. & Moura, D. 1991. Estudo do impacte dos efluentes urbano-indistriais nas comunidades de peixes e crustáceos decápodes no estuário do Sado 1987/88. Laboratório Nacional de Engenharia e Tecnologia Industrial, Lisboa. 73 pp.
Au, W.W.L. 1993. The Sonar of Dolphins. New York, Springer-Verlag. 297 pp.


B

Baker, C.S. & Macgibbon, J. 1991. Responses of sperm whales Physeter macrocephalus to commercial whale watching boats off the coast of Kaikoura. In Cascão I. (2001) Measuring the impacts resulting from interactions between approaching boats and resident bottlenose dolphins (Tursiops truncatus), in the Sado estuary, Portugal. Relatório de estágio, Universidade de Lisboa.
Bearzi, G.; E. Politi & Notarbartolo-Di-Sciara, G. 1999. Diurnal behaviour of free-ranging bottlenose dolphins in the Kvarneric (northern Adriatic Sea). Marine Mammal Science 15: 1065–1097.
Bruxelas, A.; Cabeçadas, L. & Rosado, C. 1992. Recursos marinhos e poluição no estuário do Sado. Estudos de Biologia e Conservação da Natureza, 6. Serviço Nacional de Parques, Reservas e Conservação da Natureza, Lisboa. 20 pp.


C

Cabral, H.N. 1999. Ictiofauna do estuário do Saso. Instituto de Investigação das Pescas e do Mar.Relatórios Científicos e Técnicos, 47. 30 pp.
Cascão, I. 2001. Measuring the impacts resulting from interactions between approaching boats and resident bottlenose dolphins (Tursiops truncatus), in the Sado estuary, Portugal. Relatório de estágio, Faculdade de Ciências, Universidade de Lisboa.
Caughley, G. 1966. Mortality patterns in mammals. Ecology 47: 906-918.
Chilvers, B.L. & Corkeron, P.J. 2001. Trawling and bottlenose dolphins’ social structure. Processes of Royal Society London B, 268:1901-1905.
Clutton-Brock, T.H. 1989. Female transfer and inbreeding avoidance in social mammals. Nature 337: 70-72.
Cockcroft, V.G. & Ross, G.J.B. 1989. Age, growth and reproduction of bottlenose dolphins Tursiops truncatus from the east coast of southern Africa. Fishery Bulletin, U.S. 88: 289-302.
Connor, R.C.; Wells, R.S.; Mann, J. & Read, A.J. 2000. The bottlenose dolphin: social relationships in a fission-fusion society. Pp. 92-126. In Mann J.; Connor R. C.; Tyack P. L. & Whitehead H. (Eds.). Cetacean Societies: Field Studies of Dolphins and Whales. The University of Chicago Press, Chicago.
Corkeron, P.J.; Bryden, M.M. & Hedstrom, K.E. 1990. Feeding by bottlenose dolphins in association with trawling operations in Moreton Bay, Australia. Pp. 329-336. In Leatherwood, S.; Reeves, R. R. (Eds.), The bottlenose dolphin. Academic Press, San Diego, CA.
Cranford, T.W.; Amundi, M. & Norris, K.S. 1996. Functional morphology and homology in the odontocete nasal complex: implications for sound generation. Journal of Morphology, 228: 223-285.

Cunha, P.L. 1994. Estrutura e Dinâmica da Ictiofauna do Estuário do Sado. Tese de Doutoramento. Universidade de Lisboa. 397 pp. 

 
Dormer, K.J. 1979. Mechanisms of sound production and air recycling in delphinids: cineradiographic evidence. Journal of the Acoustical Society of America 65:229-239.
dos Santos, M. E. & Lacerda, M.1987. Preliminary observations of the bottlenose dolphin (Tursiops truncatus) in the Sado Estuary (Portugal). Aquatic Mammals 13: 65-80.
dos Santos, M.E. 1998. Bio-acústica e comportamento dos golfinhos-roazes (Tursiops truncatus) na região do Sado. 1ª edição, Instituto Superior de Psicologia Aplicada, Lisboa.
 
Erbe, C. & Farmer, D.M. 2000. A software model to estimate zones of impact on marine mammals around anthropogenic noise. Journal of the Acoustical Society of America 108: 1327-1331.
Evans, P.G. 1987. The Natural History of Whales and Dolphins. Christopher Helm, London. 343 pp.
 
Ferreira, A.M. & Vale, C. 1998. PCB accumulation and alterations of lipids in two length classes of the oyster Crassostrea angulata and of the clam Ruditapes decussatus. Marine Environmental Research 45(3): 259-268.
 
Gaspar, R. 2003. Status of the Resident Bottlenose Dolphin Population in the Sado Estuary: Past, Present and Future. Thesis submitted for degree of Doctor of Philosophy, University of St. Andrews.
Gaspar, R. 2004. O Estado de Conservação do Roaz do Sado: Passado, Presente e Futuro – Bases Científicas para Acções de Conservação. Relatório interno, ICN, Lisboa.
 
Harwood, J. & Prime, J.H. 1978. Some factors affecting the size of the British grey seal populations. Journal of Applied Ecology 15: 401-411.
Harzen, S. 1998. Habitat use by the bottlenose dolphin (Tursiops truncatus) in the Sado Estuary, Portugal. Aquatic Mammals 24: 117-128.
Henderson, E.E. 2004. Behavior, association patterns and habitat use of a small community of bottlenose dolphins ins San Luis Pass, Texas. MsC dissertation, Texas A&M University. 89 pp.
Hussenot, E. 1982. Premier recensement du grand dauphin (Tursiops truncatus) dans l’estuaire du Sado au Portugal. Actes du VI Colloque de la Sociétè Francaise por l’étude et la Protection des Mammiferes. Pp. 65-73.
 
INAG - Instituto da Água 2000. Plano de Bacia Hidrográfica do Rio Sado. 1ª Fase – Análise e Diagnóstico da Situação actual. Abril de 2000.
 
Kannan, K.; Senthilkumar, K.; Loganathan, B.G.; Takahashi, S.; Odell, D.K. & Tanabe, S. 1996. Elevated accumulation of Tributyltin and its breakdown products in bottlenose dolphins (Tursiops truncatus) found stranded along the U.S. Atlantic and Gulf coasts. Environmental Science and Technology 31(1): 296-301.
Kasuya, T.; Izumisawa, Y.; Komyo, Y.; Ishino, Y. & Maejima, Y. 1997. Life history parameters of bottlenose dolphins off Japan. IBI Reports 7: 71-107.
Ketten, D.R. 1998. Marine mammal auditory systems: a summary of audiometric and anatomical data and its implications for underwater acoustic impacts. Contract (40JBNF600312) report. Boston, MA.
 
Lacy, R.C. 1993. VORTEX: a computer simulation for use in population viability analysis. In Gaspar R. (2004) O Estado de Conservação do Roaz do Sado: Passado, Presente e Futuro – Bases Científicas para Acções de Conservação. Relatório interno, ICN, Lisboa.
Lahvis, G.P.; Wells, R.S.; Kuehl, D.W.; Stewart, J.L.; Rhinehart, H.L. & Via, C.S. 1995. Decreased lymphocyte responses in free-ranging bottlenose dolphins (Tursiops truncatus) are associated with increased concentrations of PCBs and DDT's in peripheral blood. Environmental Health Perspectives 103(4): 67-72.
Langtimm, C.A.; O'Shea, T.J.; Pradel, R. & Beck, C.A. 1998. Estimates of annual survival probabilities for adult Florida Manatees (Trichechus manatus latirostris). Ecology 79: 981-997.
Leatherwood, S. & Reeves, R. R. 1983. The Sierra Club handbook of whales and dolphins. Sierra Club Books, San Francisco, California, USA.
Luís, A.R.F. 2008. Avaliação do impacto de construções portuárias no comportamento e no ambiente acústico da população de golfinhos-roazes (Tursiops truncatus) do estuário do Sado. Mestrado em Ecologia e Gestão Ambiental. Universidade de Lisboa Faculdade de Ciências Departamento de Biologia Animal, Lisboa. 110 pp.
Lusseau, D. 2006. Why do dolphins jump? Interpreting the behavioural repertoire of bottlenose dolphins (Tursiops sp.) in Doubtful Sound, New Zealand. Behavioural Processes, 73: 257–265.
 
Mann, J.; Connor, R.C.; Barre, L.M. & Heithaus, M.R. 2000. Female reproductive success in bottlenose dolphins (Tursiops sp.): life history, habitat, provisioning, and group size effects. Behavioral Ecology 11: 210-219.
Martins, A. & Gaspar, R. 1997. Observations of harbour porpoises in the marine region adjacent to the Sado estuary, Portugal. 1997. European Cetacean Society, 11th Annual Conference, Spain.
 
Neves, R.; Chozas S.; Costa L.T. & Rufino R. 2004. Reserva Natural do Estuário do Sado. Uma contribuição para o plano de gestão. Instituto da Conservação da Natureza/ Centro de Zonas Húmidas.
Ngog Nje, J. 1988. Contribution à l’étude de la structure de la population des hippopotames (Hippopotamus amphibius L.) au Parc National de la Bénoué (Cameroun). Mammalia 52: 150-158.
Nowacek, S.M.; Wells, R.S. & Nowacek, D.P. 1999. The effects of boat traffic on bottlenose dolphins, Tursiops truncatus, in Sarasota Bay, Florida. In Cascão I. (2001) Measuring the impacts resulting from interactions between approaching boats and resident bottlenose dolphins (Tursiops truncatus), in the Sado estuary, Portugal. Relatório de estágio, Universidade de Lisboa.
Nunes, S. 2001. Estudo da utilização do habitat pela população sedentária de Golfinhos-roazes Tursiops truncatus (Montagu, 1821), no estuário do Sado, Portugal. Relatório de estágio do curso de licenciatura em Biologia Marinha e Pescas. Universidade do Algarve, Faculdade de Ciências do Mar e Ambiente, Faro. 49 pp.
 
Olesiuk, P.F.; Bigg, M.A. & Ellis, G.M. 1990. Life history and population dynamics of resident killer whales (Orcinus orca) in the coastal waters of British Columbia and Washington state. Reports of the International Whaling Commission: 209-243.
 
Perrin, W.F. & Reilly; S.B. 1984. Reproductive parameters of dolphins and small whales of the family Delphinidae. Pp. 97-133. In Perrin, W.F.; Brownell, R.L.J. & DeMaster, D.P. (Eds.). Reproduction in whales, dolphins and porpoises. Proceedings of the Conference on Cetacean Reproduction. Estimating parameters for stock assessment and management. International Whaling Commission, La Jolla.
Perry, C. 1998. A review of the impact of anthropogenic noise on cetaceans. Paper presented to the Scientific Committee at the 50th Meeting of the International Whaling Commission,1998.
 
Read, A.J.; Wells, R.S.; Hohn, A.A. & Scott, M.D. 1993. Patterns of growth in wild bottlenose dolphins, Tursiops truncatus. Journal of Zoology, London 231: 107-123.
Reijnders, P.J.H. 1986. Reproductive failure of common seals feeding on fish from polluted waters. Nature 324: 456-457.
Reynolds, J.E. III; Wells, R.S. & Eide, S.D. 2000. The Bottlenose Dolphin. Biology and Conservation. Florida University Press. 288pp.
Richardson, W.J.; Greene, C.R.G. Jr.; Malme, C.I. & Thomson, D.H. 1995. Marine Mammals and Noise. Academic Press, San Diego. 576 pp.
Rosado, M.C.; Bruxelas, A.T. & Castro, J.J. 1993. Efeitos ecológicos da exploração comercial de casulo e lingueirão e dinâmica da comunidade de macrofauna acompanhante numa praia arenosa do estuário do Sado. Estudos de Biologia e Conservação da Natureza n.9, SNPRCN, Lisboa. 28 pp.
 
Schwacke, L.H.; Voit, E.O.; Hansen, L.J.; Wells, R.S.; Mitchum, G.B.; Hohn, A.A. & Fair, P.A. 2002. Probabilistic risk assessment of reproductive effects of polychlorinated biphenyls on bottlenose dolphins (Tursiops truncatus) from United States coast. In: Gaspar R. (2003) Status of the Resident Bottlenose Dolphin Population in the Sado Estuary: Past, Present and Future. Thesis submitted for degree of Doctor of Philosophy, University of St. Andrews.
Scott, M.D.; Wells, R.S. & Irvine, A.B. 1990. A long-term study of bottlenose dolphins on the west coast of Florida. Pp. 235-244. In Leatherwood S. & Reeves R.R. (Eds.): The bottlenose dolphin. Academic Press, Inc., San Diego.
Sequeira, M.L. 1988. Mamíferos marinhos da costa portuguesa. Padrões de distribuição e ocorrência das principais espécies. Relatóro de estágio. Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa.
Shane S.H.; Wells, R.S. & Würsig, B. 1986. Ecology, behavior and social organization of the bottlenose dolphin: a review. Marine Mammals Science 2: 34–63.
Shane, S.H. 1990. Behavior and ecology of the bottlenose dolphin at Sanibel Island, Florida. Pp. 254-265. In Leatherwood, S. & Reeves, R.R. (Eds.). The Bottlenose Dolphin. San Diego. Academic Press.
Silva, C. 2008. A população residente de Tursiops truncatus num quadro de gestão integrada do estuário do Sado: Proposta de um acordo voluntário. Tese de Mestrado, Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa. 114 pp.
 
Teixeira, A.M. & Duguy, R. 1981. Observations de Delphinidés dans les eaux côtières portugaises. Relatórios de Actividades do Aquário Vasco da Gama 9: 1-9.
Teixeira, A.M. 1981. Sobre a presença do roaz Tursiops truncatus no estuário do Sado (Portugal). Actas 1as. Jornadas Ibéricas sobre Mamíferos Marinos. Santiago de Compostela, 30-31 Xulo, 1 Agosto 1981: 47-54. Santiago: Soc. Galega História Natural.
 
Van Bressem, M-F., Gaspar, R. & Aznar, J. 2003. Epidemiology of tattoo skin disease in bottlenose dolphins (Tursiops truncatus) from the Sado estuary, Portugal. Diseases of Aquatic Organisms 56: 171-179.
 
Wells, R.S. & Scott, M.D. 1999. Bottlenose dolphin. In Ridgway S.H. & Harrison R. (Eds.), Handbook of Marine Mammals, vol. 6. San Diego, Academic Press: 137-182.
Wells, R.S. 1991. The role of long-term study in understanding the social structure of a bottlenose dolphin community. Pp. 199-225. In Pryor, K.; Norris & K. S. (Eds.). Dolphin Societies: discoveries and puzzles. University of California Press, California.
Wells, R.S. 1993. Parental investment patterns of wild bottlenose dolphins. In Hecker N.F. (Ed.). Proceedings of the eighteenth international marine animal trainers association conference. Chicago, USA.
Wells, R.S.; Scott, M.D. & Irvine, A.B. 1987. The social structure of free-ranging bottlenose dolphins. Pp. 247-305. In Genoways H. (Ed.). Current Mammalogy. Plenum, New York, USA.

Wursig, B. 1989. Cetaceans. Science, 244: 1550-1557.

 

Trabalhos disponíveis

 

A
Augusto, J.F.F. 2007. Análise da estrutura social, da composição dos grupos e associações nos golfinhos-roazes (Tursiops truncatus) residentes na região do Sado[PDF 800 KB] Mestrado em Ecologia Marinha. Universidade de Lisboa, Faculdade de Ciências, Departamento de Biologia Animal, Lisboa. 65 pp. 

RESUMO: A população de golfinhos-roazes (Tursiops truncatus) do estuário do Sado é a única população residente em Portugal continental, e uma das poucas da Europa. O seu efetivo populacional tem vindo a diminuir, tendo este trabalho inventariado 26 indivíduos. Esta população encontra-se envelhecida, uma vez que é constituída em mais de três quartos por adultos. O sex ratio é incerto, pois desconhece-se o sexo de mais de metade dos indivíduos. A estrutura dos grupos foi analisada em termos de efetivo e faixa etária. O tamanho de grupo médio é de 10.06, valor comum nesta espécie mas alto relativamente ao tamanho da população, o que poderá estar relacionado com a diminuição da competição decorrente da redução do efetivo populacional, aliada a um habitat com recursos estáveis. O tipo de grupo mais frequente apresenta todas as faixas etárias. A análise das associações foi realizada com a aplicação SOCPROG. As associações, tendo como unidade amostral o grupo (conjunto de indivíduos na mesma área), são “preferidas” (isto é, diferentes do aleatório) e a “longo prazo” (estáveis a longo termo). Foi obtido um coeficiente de associação médio para a população de 0.61. Os coeficientes de associação são semelhantes entre classes e sexos, e não se observa uma divisão clara da população em subunidades. Esta estrutura incomum pode dever-se à filopatria desta população, associada ao seu reduzido efetivo populacional. A natureza de fusão-fissão dos grupos nesta população é realçada na análise temporal (a curto prazo), onde predominam dissociações rápidas e companhias casuais. Foi também estudada a relação entre zona do estuário e a categoria de comportamento dos indivíduos, apesar de não ter sido obtido um conjunto de dados suficientes para uma análise sistemática. Foi detetada, no entanto, uma utilização seletiva das áreas do estuário no período de amostragem, com evitamento da parte jusante do canal norte.

| Relação com o Plano de Ação dos roazes: contribui para a ação 1.1.4.


F
Ferreira, M.C.V. 2010. Movimentos e atividades dos golfinhos-roazes (Tursiops truncatus) na zona terminal do estuário do Sado e possíveis influências ecológicas. [PDF 1,3 MB] Mestrado em Ecologia Marinha. Universidade de Lisboa, Faculdade de Ciências, Departamento de Biologia Animal, Lisboa. 56 pp. 


L
Luís, A.R.F. 2008. Avaliação do impacto de construções portuárias no comportamento e no ambiente acústico da população de golfinhos-roazes (Tursiops truncatus) do estuário do Sado[PDF 5,2 MB] Mestrado em Ecologia e Gestão Ambiental. Universidade de Lisboa, Faculdade de Ciências, Departamento de Biologia Animal, Lisboa. 110 pp. 


RESUMO: A crescente intervenção humana nos ecossistemas litorais inclui frequentemente obras ligadas ao sector marítimo como as construções portuárias. Estas englobam atividades com intervenção direta no ambiente, tais como construção de molhes de retenção, dragagens ou cravação de estacas. Estas atividades têm o potencial de produzir efeitos negativos a nível dos habitats e da fauna marinha e estuarina. O estuário do Sado é uma área bastante intervencionada e apresenta a única população residente de golfinhos-roazes em Portugal. As construções portuárias podem representar uma ameaça significativa para esta população, cujo grau de vulnerabilidade é bastante elevado. No quadro de desenvolvimento sustentável, a necessidade da avaliação do impacto surge como um imperativo. No entanto, a avaliação do impacte de construções portuárias em cetáceos tem sido pouco estudada. Pretende-se fazer uma compilação dos principais impactes associados a estas construções, avaliando os efeitos exercidos a nível comportamental e do ambiente acústico da espécie Tursiops truncatus, propondo medidas mitigadoras. Relativamente ao comportamento, foram analisadas as respostas comportamentais exibidas pelos indivíduos da população e, assim, avaliado o impacte gerado pela construção de uma retenção marginal, e pelo processo de dragagem. Relativamente ao nível do ambiente acústico foram efetuados registos sonoros da atividade de cravação de estacas, os quais foram utilizados na modelação acústica do evento. Os potenciais efeitos na população de golfinhos foram estimados através da definição de zonas de influência. As atividades de construção analisadas exerceram impacte sobre a população de golfinhos, sendo o nível de alterações geradas dependente da atividade em questão. As medidas mitigadoras passam pela calendarização adequada dos trabalhos e pela redução dos níveis de perturbação na fonte. As intervenções de construção geraram impactes a “curto prazo”. No entanto, os efeitos a longo prazo não poderão ser negligenciados. Deve ser considerada a monitorização da população, bem como a aplicação de medidas mitigadoras em intervenções futuras.

| Relação com o Plano de Ação dos roazes: contribui para a ação 2.1.6.


R
Rocha, A.I.L. 2012. Vocalizações dos golfinhos-razes (Tursiops truncatus) residentes na região do estuário do sado e estudo da influência do tráfego marítimo nos padrões de emissão dos assobios[PDF 3,5 MB] Dissertação de Mestrado em Ciências do Mar – Recursos Marinhos, Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar, da Universidade do Porto. 97 pp. 


S
Sequeira, M.; Matias S., Farinha J.C., Gaspar R., Silva C., Augusto J., Ferreira C., Fonseca M.J., Narra P. e Luís, A.R. 2009. Bases para o plano de ação para a salvaguarda e monitorização da população de roazes do estuário do Sado[PDF 1,7 MB] Instituto da Conservação da Natureza e da Biodiversidade: 80 pp. 


Silva, C. 2008. A população residente de Tursiops truncatus num quadro de gestão integrada do estuário do Sado: Proposta de um acordo voluntário[PDF 1,5 MB] Tese de Mestrado, Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa. 114 pp. 


RESUMO: A única população residente de roazes em Portugal continental habita o segundo maior estuário do país, o estuário do Sado. Apesar de constituir uma importante zona húmida com elevada riqueza biológica e multiplicidade de habitats, o estuário está sujeito a diversas pressões antropogénicas que perturbam também a população de roazes. Esta população encontra-se atualmente em declínio, com um reduzido efetivo populacional. Algumas das razões para este cenário foram já descritas por certos autores no entanto, persistem ainda algumas lacunas de informação acerca das ameaças à sua sobrevivência e respetivas origens. Com o presente trabalho identificaram-se as principais ameaças antropogénicas: degradação da qualidade da água do estuário, tráfego marítimo, pesca e poluição acústica, e as suas origens. Depois de identificadas as principais pressões e para que se inverta o cenário atual de declínio, é fundamental implementar medidas de conservação específicas, enquadradas numa gestão integrada de todo o estuário. Para isso, há que minimizar os problemas inerentes aos bens públicos de acesso e uso comuns – roazes e estuário, através da aplicação de instrumentos de gestão apropriados.
Face à ineficácia patente dos instrumentos tradicionais de ação, propõe-se, neste trabalho, a adoção de um acordo voluntário que fomente a cooperação entre agentes (públicos e privados), com o objetivo comum de melhorar as condições ambientais do estuário do Sado, fundamentais para a conservação dos roazes.
De forma a perceber a possibilidade real de implementação deste instrumento, apresentou-se a proposta de acordo a um conjunto de agentes locais, cuja maioria se mostrou bastante recetiva à adoção de um instrumento deste tipo.
Com o presente trabalho, pretendeu-se dar o primeiro passo rumo a uma gestão integrada do estuário, que potencie a sobrevivência da população de roazes, e promova um desenvolvimento sustentável da região.

| Relação com o Plano de Ação dos roazes: contribui para a ação 1.1.6.

Acções do Documento