Você está aqui: Entrada / PATRIMÓNIO NATURAL / BIODIVERSIDADE / Património Natural / Rios e Ribeiras / Restabelecimento da Contuidade Fluvial na Ribeira do Vascão

Restabelecimento da Contuidade Fluvial na Ribeira do Vascão

Restabelecimento da Contuidade Fluvial na Ribeira do Vascão
Proposta de intervenção nos obstáculos que interrompem o continuum fluvial da ribeira do Vascão em particular para a espécie saramugo – Anaecypris hispanica

ribeira-vascao.png

A ribeira do Vascão está inserida no SIC Guadiana (PTCON0036) e constitui um importante corredor para as espécies piscícolas autóctones e migradoras, com particular destaque para o saramugo (Anaecypris hispanica). Estas espécies são particularmente sensíveis à perda de continuidade fluvial devida à presença de obras hidráulicas. Na sequência da anterior inventariação e caracterização de infraestruturas potencialmente causadoras de quebra de continuidade fluvial, procedeu-se à classificação dos obstáculos utilizando para o efeito o índice de continuidade fluvial (ICF). Com base na classificação procedeu-se à elaboração de propostas de restabelecimento da continuidade fluvial para os obstáculos classificados como Mau, Medíocre e Razoável.

Foram identificados 34 obstáculos potenciais no troço da ribeira do Vascão incluído no SIC Guadiana. Os obstáculos potenciais classificados como Excelentes quanto à possibilidade de serem transpostos, num total de 12, são do tipo atravessamentos rodoviários, subtipos pontes e vaus não revestidos, que se verificou não produzirem alterações significativas na morfologia do leito nem nas características do escoamento, não constituindo, portanto, obstáculos reais.

Dos 4 obstáculos que obtiveram a classificação de Bom, um é um vau revestido (CNCF000002) que se encontra assoreado a montante e a jusante e que, por esta razão introduz um impacte mínimo. No entanto, qualquer alteração ao nível dos materiais depostos no leito pode transformar esta classificação e torná-lo inclusivamente intransponível para a maior parte das espécies.

Os restantes 3 obstáculos com classificação Bom são açudes que se encontram, em maior ou menor grau, em estado de ruína, possuindo vãos de dimensão significativa totalmente destruídos, que no caso do açude CNCF000029 corresponde ao total desaparecimento do corpo do açude. Deste modo, as espécies piscícolas encontram condições de livre circulação com alguma semelhança com a ausência de obstáculo. Importa, no entanto, ter em atenção que uma eventual recuperação destes açudes implicaria a sua intransponibilidade.

Entre os 18 obstáculos que obtiveram pior classificação em termos de transponibilidade (1 Mau, 12 Medíocre e 5 Razoável) verifica-se que em nenhum caso é possível a sua transposição por espécies do grupo G3b, onde se encontram as espécies Anaecypris hispanica (CR), Iberochondrostoma lemmingii (EN) ou Salaria fluviatilis (EN), espécies com estatuto de ameaça e incluídas em anexos da Diretiva Habitats e Convenção de Berna.

Documentos:

U.A.: 2017-03-27

Acções do Documento