Você está aqui: Entrada / TURISMO DE NATUREZA / Visitar as Áreas Protegidas / Parque Nacional da Peneda-Gerês / GR Travessia das Serras da Peneda e do Soajo

GR Travessia das Serras da Peneda e do Soajo

Parque Nacional da Peneda-Gerês (PNPG). Travessia das Serras da Peneda e do Soajo. Percurso pedestre de Grande Rota (GR). Breve descrição. Entidade promotora e responsável pela manutenção do percurso. Sítios úteis. Brandas. Fojo da Cabrita. Folheto. "Nature trail. Big route. Leaflet". "Sentier nature de grand parcours. Dépliant".

PNPG - Peneda - Soajo PNPG - Peneda-Soajo1
Aspetos do percurso.


Nota: Percurso desaconselhado, de momento.

Na planificação da sua visita deverá ter em consideração as recomendações descritas no Código de Conduta e Boas Práticas [PDF 1,6 MB] das e dos visitantes nas Áreas Protegidas, bem como os conselhos úteis que apresentamos em "Relacionados", à esquerda desta página, para melhor desfrutar da sua visita.

Brochura do Parque Nacional da Peneda-Gerês [PDF 3,3 MB]

Percurso pedestre de Grande Rota, sinalizado, de caráter etnográfico, paisagístico e natural.

 
Localização: complexo montanhoso das Serras da Peneda e do Soajo.
Ponto de partida e chegada: Porta do PNPG no Mezio.
Extensão: 77 km.
Duração: cerca de 4 dias.
Dificuldade: média.
Pontos: este percurso desenvolve-se em 3 etapas, num total de 77 km, estimando-se que sejam necessários 4 dias para o realizar - etapas:
1 - Porta do PNPG (Mezio) - Bostelinhos - Fojo da Cabrita - Avelar - Lordelo - Sistelo;
2 - Sistelo - Padrão - Porta Cova - Branda do Furado - Branda de Real - Branda de S. Bento do Cando - Pântano - Santuário da Sra. da Peneda; e
3 - Santuário da Sra. da Peneda - Baleiral - Tibo - Mistura das Águas - Várzea - Paradela - Soajo - Vilar de Suente - Porta do PNPG (Mezio).
Apoios: sinalizado segundo as normas internacionais. Folheto em "Relacionados", à esquerda desta página, e na Porta do PNPG, no Mezio.
 
 

Breve descrição

O percurso atravessa o complexo montanhoso das Serras da Peneda e do Soajo, ao longo do qual se pode observar o trabalho engenhoso de armar os solos em socalcos agrícolas, bem como todo um conjunto de estruturas de apoio à atividade agropastoril. Também permite passar por diversos habitats que albergam uma vasta riqueza florística e faunística.
 
 
O que são Brandas?
As Brandas podem ser Brandas de cultivo ou Brandas de gado e localizam-se no planalto ou em chãs de altitude. São núcleos habitacionais temporários cujos terrenos são usados para a agricultura ou alimentação do gado, durante a primavera/verão, quando essas áreas de montanha apresentam condições mais favoráveis a essas atividades humanas. Em contraposição às Brandas surgem as Inverneiras - núcleos habitacionais onde as populações passam o outono e inverno (daí o nome). Presentemente, nessa transumância imposta pelas condições agrestes do meio, nas Aldeias que ainda mantém essa migração, as populações apenas transportam consigo o gado e alguns haveres.
 
 
O que é o Fojo do Lobo?
Trata-se de uma armadilha usada no passado pelas populações para atrair e matar este mamífero. O lobo-ibérico Canis lupus signatus [PDF 156 KB] tem neste Parque Nacional um dos seus últimos refúgios. Trata-se de uma espécie com o estatuto de  proteção de "em perigo" de extinção. Segundo ALVARES, et al (2000), os Fojos, na maioria dos casos construídos em pedra, serão, talvez, o símbolo máximo das manifestações culturais a nível ibérico da relação, tantas vezes fatal para o lobo, entre as populações humanas e aquele predador. "São estruturas cuja construção envolveu um enorme esforço e grande número de pessoas, sendo, também, verdadeiros monumentos de elevado valor etnográfico, cultural e científico." "A nível mundial, o norte da Península Ibérica parece ser a região onde existem Fojos em maior número e variedade". "De acordo com a sua tipologia e modo de utilização existem 5 tipos distintos de Fojos: o Fojo simples; o Fojo de Cabrita; o Fojo de paredes convergentes; o Fojo de alçapão; e o “Corral”. À exceção do Fojo simples, com distribuição generalizada, as restantes estruturas distribuem-se maioritariamente nas serras agrestes do Nor-noroeste Ibérico, estando, aparentemente, ausentes nas zonas baixas e planálticas mais humanizadas". (in Os Fojos dos Lobos na Península Ibérica. Sua Inventariação, Caracterização e Conservação).
 
 

Entidade promotora e responsável pela manutenção do percurso

Praça Municipal | 4974-003 ARCOS DE VALDEVEZ | Portugal
Tel. e fax: +351 258 520 503
E-mail: geral@ardal.pt
 
 

Sítios úteis

voltar

U.A.: 2017-09-25