Informação geral

Informações e conselhos úteis para visitar a Reserva Natural do Estuário do Sado (RNES). Quando visitar. Pontos de interesse. Mapa. Percursos pedestres e no rio e itinerário automóvel para visitar.

 
Quando visitar?   
Pontos de interesse
Mapa

rnes1 rnes2 rnes3

Na planificação da sua visita deverá ter em consideração as recomendações descritas no Código de Conduta e Boas Práticas [PDF 1,6 MB] das e dos visitantes nas Áreas Protegidas, bem como os conselhos úteis que apresentamos em "Relacionados", à esquerda desta página, para melhor desfrutar da sua visita.

Ficam aqui algumas sugestões para a realização de percursos pedestres e de automóvel, bem como a identificação dos locais mais emblemáticos e outros pontos de interesse, que poderá visitar de modo a que possa desfrutar o melhor possível da beleza extraordinária da paisagem, consolidar conhecimentos e divertir-se durante a visita.
 
Se optar por andar a pé, os percursos permitem-lhe um contacto mais direto com a natureza e, simultaneamente, conhecer valores do património natural, paisagístico e cultural.
 

Antes de fazer qualquer caminhada, consulte a Área Protegida para obter mais informações sobre os percursos, incluindo o seu estado de conservação.

Informa-se que o ICNF não se responsabiliza por quaisquer problemas que possam surgir no decorrer dos percursos sugeridos.

 

Quando visitar?

A Reserva pode ser visitada durante todo o ano, dependendo do interesse da e do visitante. Assim, para as e os interessados na observação de aves, de novembro a março podem ver-se alfaiates, flamingos, corvos-marinho, patos, garças, maçaricos, pilritos, gansos, ostraceiros, tarambolas etc.. Na primavera e verão observam-se, entre outras aves, pernilongos, borrelhos, várias espécies de patos, gaivinas, andorinhas-do-mar e colhereiros Platalea leucorodia [PDF 141 KB].

A observação de cetáceos é feita por empresas licenciadas para o efeito, durante todo o ano. No entanto, é uma atividade que é realizada, preferencialmente, na primavera e verão, devido às condições meteorológicas.

No verão e primavera, as praias são, também, uma excelente opção de visita, especialmente na península de Troia, quer do lado do rio quer do oceano Atlântico.

Os passeios pedestres, a canoagem, o BTT, a vela e o windsurf são algumas das muitas atividades de ar livre que podem aqui ser praticadas durante todo o ano.

Pontos de interesse

A Reserva Natural do Estuário do Sado tem uma oferta variada, tanto pelo seu património natural como pelo seu património construído e tradições das suas gentes.

A fauna é rica e diversificada. Sendo uma das zonas húmidas importantes do país, podem aqui ser observadas mais de 200 espécies diferentes de aves e, caso único no pais, uma colónia residente de roazes-corvineiro Tursiops truncatus.

 

O estuário é uma importante área de invernada para várias espécies de aves e de nidificação para outras, pelo que, durante quase todo o ano, é possível visitar a RNES e observar uma grande quantidade de espécies de aves.

Do património construído destacam-se os diversos portos palafitas, i.e. sobre estacas, as típicas cabanas de colmo na herdade do Pinheiro, na Comporta/Carrasqueira e em Casas Novas, os Montes, nas herdades do Zambujal e do Pinheiro e na Comporta, o moinho de maré na Mourisca e diversos vestígios civilizacionais romanos, muçulmanos e fenícios.

 

RNES - casa Carrasqueira Cetárias de garum - Cristina Girão Vieira
Cabana de colmo típica na Carrasqueira e cetárias para produção do garum, nas ruínas romanas de Troia (® Cristina Girão Vieira).

Salinas sal e limícolas Cristina Girão Vieira

As salinas são locais aconselhados para observação de algumas espécies de aves, sendo interessantes, sobretudo, durante a faina da apanha do sal que ocorre durante o verão. Aconselhamos um pequeno percurso para observação de aves aquáticas.

A gastronomia da região é caracterizada pela qualidade dos produtos locais utilizados. Do rio chegam os chocos, enguias, moluscos, linguados, entre outros. Do campo tira-se a batata doce, as abóboras, o arroz, produtos hortofrutícolas e cogumelos. Do mar obtém-se peixes diversos e mariscos, que estão na origem de bons pratos de peixe, tais como caldeiradas ou grelhados. Os pratos de carne têm raízes alentejanas, ligadas ao consumo da carne de porco e migas. Os pratos de caça são também comuns e muito apreciados durante a época venatória. 

 

Os pinhões, também chamados na região "ouro branco", são parte integrante de algumas sobremesas características.

Os vinhos produzidos nas zonas limítrofes da Reserva Natural são de boa qualidade, apresentando-se como mais uma razão para uma visita.  

 

Mapa


Clique na imagem para ampliar [JPG 400 KB]

RNES - mapa com legenda