Informação Geral

Informações e conselhos úteis para visitar a Reserva Natural das Lagoas de Santo André e da Sancha (RNLSAS). Quando visitar. Pontos de interesse. Mapa.

 

Quando visitar?  
Pontos de interesse 
Mapa

rnlsas1 rnlsas2 rnlsas3

Na planificação da sua visita deverá ter em consideração as recomendações descritas no Código de Conduta e Boas Práticas [PDF 1,6 MB] das e dos visitantes nas Áreas Protegidas, bem como os conselhos úteis que apresentamos em "Relacionados", à esquerda desta página, para melhor desfrutar da sua visita.

Ficam aqui algumas sugestões para a realização de percursos pedestres, bem como a identificação dos locais mais emblemáticos e outros pontos de interesse, que poderá visitar de modo a que possa desfrutar o melhor possível da beleza extraordinária da paisagem, consolidar conhecimentos e divertir-se durante a visita.
 
Se optar por andar a pé, os percursos sinalizados permitem-lhe um contacto mais direto com a natureza e, simultaneamente, conhecer valores do património natural, paisagístico e cultural.
 

Antes de fazer qualquer caminhada, consulte a Área Protegida para obter mais informações sobre os percursos, incluindo o seu estado de conservação.

Informa-se que o ICNF não se responsabiliza por quaisquer problemas que possam surgir no decorrer dos percursos sugeridos.

 

Quando visitar?

A época mais adequada para uma visita a esta Reserva Natural depende dos objetivos da e do visitante. Se pretende desfrutar dos extensos areais e da elevada qualidade da água do mar, das praias existentes na faixa marinha incluída na Reserva, então a melhor altura para a visita será o verão.

Para observar a diversificada avifauna (i.e. aves) aqui existente, recomendamos uma visita a partir do final do verão, sendo os meses de novembro e dezembro aqueles em que se pode observar um maior número de aves nos espelhos de água lagunares. Se pretender acompanhar as sessões de anilhagem de aves e conhecer a mais antiga estação de anilhagem do país para a época migratória, que se encontra instalada no Monte do Outeirão, envie e-mail para: monteouteirao_eon@sapo.pt.

Inaugurada em 2004, a Estação de Anilhagem do Monte do Outeirão consiste num antigo monte alentejano que foi recuperado para esse efeito.

Toutinegra-de-barrete macho

Macho de Toutinegra-de-barrete Sylvia atricapilla (® Cristina Girão Vieira).
Animal capturado, e depois libertado, em sessão de anilhagem no Monte do Outeirão.
 

Para conhecer a flora e vegetação existem motivos de interesse durante todo o ano, com destaque para a época de floração da maior parte das espécies que se verifica a partir do fim de fevereiro. 

Se pretende assistir à abertura anual da lagoa de Santo André ao mar, que se realiza na primavera, mantenha-se informado(a) sobre o dia exato em que esta se realiza. É um evento com longa tradição, muito procurado por visitantes e assistido, principalmente, por habitantes da Costa de Santo André e de localidades próximas. 

Pontos de interesse

A Reserva é constituída, essencialmente, por um conjunto de ecossistemas litorais e sublitorais, incluindo, como elementos fundamentais, os sistemas lagunares de Santo André e da Sancha. Marginando ambas as lagoas ocorre um conjunto diversificado de ecossistemas aquáticos e ribeirinhos influenciados, em maior ou menor grau, pelas águas doces e salobras, incluindo pequenas áreas de sapal, salgueirais (Salix spp), caniçais, juncais (Juncus spp), urzais palustres e pastagens húmidas.

Lagoa de Santo André
O corpo lagunar de Santo André é particularmente bem desenvolvido, ocupando uma superfície alagada de 150 – 250 ha, a qual pode duplicar durante o período invernal. A lagoa está isolada do mar por um cordão dunar de largura e desenvolvimento variáveis, sendo, em geral, a ligação ao mar estabelecida artificialmente durante o mês de março, através de um canal que, tipicamente, permanece aberto durante cerca de um mês. 
 
Abertura da Lagoa de Santo André ao mar 
O cordão dunar que isola a lagoa do oceano Atlântico abre-se, ocasionalmente, de forma natural, permitindo a troca de água entre estes dois sistemas. No entanto, pelo menos desde o século XVII, esta barreira é também rompida artificialmente.
 
Esta forma de gestão ancestral promove a renovação das águas da lagoa e a exportação de matéria orgânica e nutrientes para a faixa costeira adjacente, diminuindo a velocidade dos processos de assoreamento e eutrofização e crescimento excessivo de plantas e algas, e também os riscos de anóxia, ou seja carência de oxigénio. A comunicação periódica com o mar permite ainda a entrada de alevins (peixes ainda pequenos), provenientes do oceano, reabastecendo, assim, a lagoa nas suas várias espécies de peixe. 

Nas povoações adjacentes à Reserva ocorrem outros acontecimentos com relevância etnográfica, não se relacionando, contudo, diretamente com os elementos culturais ou naturais da Reserva. Destacam-se as Feiras e as Festas Tradicionais, como por exemplo os Banhos de São Romão, na Costa de Santo André, a 9 de agosto.
 
Gastronomia
Destaque para os pratos à base de peixe capturado na lagoa de Santo André, sendo os mais característicos as caldeiradas de enguias e as enguias fritas, os quais são servidos nos restaurantes da região. Na doçaria, realçe para as alcomonias, doce típico da região feito à base de pinhões e mel.
 
 

Mapa

 
Clique no mapa para ampliar [JPG 67 KB]
 

 RNLSAS - mapa

Topo