Informação Geral

Informações e conselhos úteis para visitar a Reserva Natural do Sapal de Castro Marim e Vila Real de Santo António (RNSCMVRSA). Quando visitar. Fauna. Mapa.

Quando visitar?   
Mapa 

rnscmvrsa1 rnscmvrsa2 rnscmvrsa3

Na planificação da sua visita deverá ter em consideração as recomendações descritas no Código de Conduta e Boas Práticas [PDF 1,6 MB] das e dos visitantes nas Áreas Protegidas, bem como os conselhos úteis que apresentamos em "Relacionados", à esquerda desta página, para melhor desfrutar da sua visita.

Ficam aqui algumas sugestões para a realização de percursos pedestres e de BTT, de modo a que possa desfrutar o melhor possível da beleza extraordinária da paisagem, consolidar conhecimentos e divertir-se durante a visita.
 
Se optar por andar a pé, os percursos sinalizados permitem-lhe um contacto mais direto com a natureza e, simultaneamente, conhecer valores do património natural, paisagístico e cultural.
 
Antes de fazer qualquer caminhada, consulte a Área Protegida para obter mais informações sobre os percursos, incluindo o seu estado de conservação.  
 
Informa-se que o ICNF não se responsabiliza por quaisquer problemas que possam surgir no decorrer dos percursos sugeridos.
 
 

Quando visitar?

A Reserva Natural pode ser visitada todo o ano. Sendo reconhecida como uma das áreas de maior interesse ornitológico do nosso país, aqui fica uma indicação de algumas espécies de aves que poderá encontrar na sua visita.

As limícolas Charadrii, os patos Anatidae e o galeirão Fulica atra são as espécies mais abundantes na época de migração pós-nupcial (meses de agosto e setembro fundamentalmente), utilizando as zonas húmidas da Reserva Natural como local de repouso e alimentação durante a migração dos locais de nidificação, no norte e centro da Europa, para os locais de invernada em África.

Fulica atra Galeirões Calidris Pilritos
Galeirões-comum Fulica atra a nadarem e pilrito-pequeno Calidris minuta, pilrito-sanderlingo Calidris alba e pilrito-de-bico-comprido Calidris ferrugina.


No inverno permanece aqui um grande número de aves aquáticas, embora a diversidade diminua, destacando-se espécies com grandes populações nesta área protegida relativamente ao efetivo nacional, como o mergulhão-de-pescoço-preto Podiceps nigricollis [PDF 127 KB], a tadorna ou o pato-branco Tadorna tadorna, o galeirão-comum Fulica atra e os pilritos.

Na primavera nidificam na Reserva um grande número de aves aquáticas, sobretudo limícolas. As salinas, principal biótopo utilizado, albergam importantes populações reprodutoras de borrelho-de-coleira-interrompida [PDF 285 KB] Charadrius alexandrinus [PDF 143 KB], pernilongo Himantopus himantopus [PDF 285 KB], alfaiate [PDF 82 KB] Recurvirostra avosetta [PDF 101 KB] e andorinha-do-mar-anã [PDF 44 KB] Sterna albifrons [PDF 142 KB]. Durante esta época é fundamental não perturbar os locais de nidificação.

 

Himantopus himantopus Pernilongo ninho Himantopus himantopus Pernilongo crias
Ninho e crias de pernilongo Himantopus himantopus.

Destacam-se ainda, pela sua abundância, os flamingos [PDF 96 KB] Phoenicopterus roseus [PDF 138 KB] e os colhereiros [PDF 99 KB] Platalea leucorodia [PDF 141 KB], que ocorrem durante todo o ano embora não nidifiquem na área da Reserva, atingindo maiores densidades no período pós-reprodutor.

Phoenicopterus roseus Flamingos voo
Flamingos em voo.

 

Mapa
 

 RNSCMVRSA - mapa com legenda